TRF4 aceita cumprimento de sentença e precatório em mandado de segurança tributário



Recentemente, o Desembargador Federal Leandro Paulsen, integrante da 1ª Turma do TRF4 (Porto Alegre/RS), em decisão monocrática, no julgamento da Apelação/Remessa Necessária n.º 5001204-56.2021.4.04.7001, em 08/04/22, de sua relatoria, decidiu pela possibilidade de repetição de indébito por meio de mandado de segurança, decisão que inova e facilita o ressarcimento do contribuinte que, até então, por força das teses jurídicas prevalecentes sobre o tema, utilizava o mandado de segurança apenas para ver declarado seu direito à repetição do indébito, necessitando da atuação posterior de um segundo procedimento, na via administrativa, junto à fazenda pública, para efetivar a devolução dos valores.

Muito provavelmente a fazenda pública deverá recorrer da decisão, mas, sem dúvidas, o decisório por si só, independentemente dos futuros desdobramentos processuais, inaugurou importante debate sobre o estabelecimento de novo cenário processual menos burocratizado e, portanto, mais favorável ao contribuinte, nas lides tributárias de devolução de valores pagos indevidamente a título de tributos.

Com efeito, a decisão representa simplificação de procedimentos ao tornar desnecessário ao contribuinte autuar um segundo processo, na via administrativa, para a efetivação do ressarcimento pleiteado. Como consequência disso, tem-se economia de tempo pelo lado do contribuinte e de dinheiro público pela parte do Estado, que deixará de gastar desnecessariamente na atuação de procedimento administrativo de repetição de indébito decorrente de decisão judicial. Por estas razões, festeja-se a inovadora decisão do Des. Leandro Paulsen.

Pela relevância da decisão no âmbito tributário, reproduzo abaixo parte do decisório que enfrentou a questão, convidando os colegas tributaristas a replicarem o excerto em seus futuros mandados de segurança tributário com repetição de indébito como mecanismo de esforço coletivo na busca da consolidação desta tese pró-contribuinte em nossa jurisprudência. Boa leitura!


“8.3 Compensação/restituição do indébito. O indébito apurado, corrigido pela Taxa SELIC desde a data do pagamento indevido, sem acúmulo com os juros de mora, poderá ser compensado na via administrativa ou restituído judicialmente.

Quanto à restituição judicial, reconhecido o indébito em sede de mandado de segurança, não vejo nenhuma restrição para que se promova o cumprimento da sentença, após seu trânsito em julgado, e expedição do precatório no bojo do próprio do MS, sem violação à coisa julgada, nos termos da Súmula 461 do STJ ("O contribuinte pode optar por receber, por meio de precatório ou por compensação, o indébito tributário certificado por sentença declaratória transitada em julgado").

Assim, diante uma sentença em mandado de segurança que, dotada de eficácia mandamental e declaratória, certifica o direito de crédito do contribuinte que recolheu indevidamente o tributo e permite a restituição tributária, é possível ao contribuinte optar, no cumprimento do julgado do mandado de segurança, pela repetição via precatório, sem que isso constitua ofensa à coisa julgada.

 As condenações decorrentes de sentença judicial executam-se pelo regime de precatório/RPV - por força de dispositivo constitucional que impõe o seguimento da ordem cronológica, inclusive (art. 100 CF/88) -, com o que se afasta hipótese de restituição administrativa do indébito, fundada na sentença que concede a segurança.

Na esfera administrativa, é reconhecido o direito da impetrante à compensação dos valores indevidamente recolhidos, atualizados pela SELIC, com parcelas relativas a outros tributos e contribuições administrados pela Receita Federal do Brasil nos casos em que a empresa contribuinte utiliza o sistema eSocial, e desde que os créditos e débitos apurados sejam posteriores à adesão ao referido sistema. Caso contrário, a compensação somente poderá ser feita com tributos da mesma espécie”. (TRF4 5001204-56.2021.4.04.7001, Primeira Turma, Relator Des. Leandro Paulsen, 08/04/2022)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Falácia da Aplicabilidade Restrita da Imunidade Tributária das Entidades Beneficentes de Assistência Social apenas às Pessoas Jurídicas de Direito Privado

As Vantagens da Utilização de Joint Venture na Formatação de Parcerias Empresariais: Sigilo Negocial, Segurança Jurídica e Economia Tributária